Newsletter

Cadastre-se e receba todas as novidades

Petcare: Expansão do mercado pet no País

Publicado em 29 de Jun de 2017 por Giovanna Henriques |COMENTE

Empreendedores investem em ideias cada vez mais inovadoras



Texto Erika Marinho | Adaptação Giovanna Henriques | Foto Shutterstock

petcare

Hotéis, creches, clubes, petiscos variados, mimos, sorvetes, cosméticos, passeios, medicamentos, equipamentos médicos de última geração e até hospitais inteiros. Sim, tudo para garantir o bem-estar, o desenvolvimento saudável e a vida feliz dos pets e também a satisfação de seus donos. Artigos de luxo para uma classe privilegiada? Não, não mesmo! O mercado Pet está em franco crescimento e cada vez mais pessoas procuram por serviços, cuidados e alimentação adequada para os seus animais de estimação.

Em contrapartida, mais empresários rendem-se aos apelos e necessidades do setor. E não é para menos! De acordo com um levantamento da Associação Brasileira da Indústria de Produtos para Animais de Estimação (Abinpet) a expectativa é que o Brasil fature R$15,4 bilhões em 2013. Um aumento de 8,1% em relação a 2012. Esse índice garante ao País a posição de segundo lugar em faturamento no mundo, ficando atrás apenas dos Estados Unidos.

Para se ter uma ideia da força desse mercado brasileiro, estima-se que, em 2013, 0,34% do PIB nacional seja por contado setor pet, à frente das geladeiras e freezers (0,14%), componentes elétricos e eletrônicos (0,24%) e automação industrial (0,10%). Só em 2012, a indústria pet gerou mais de 220 mil empregos diretos.

O presidente-executivo da Abinpet, José Edson Galvão de França, explica que o mercado pet brasileiro é formado por quatro segmentos: pet food (alimentação), que representa 68,5% do faturamento do setor; pet care (acessórios, produtos para higiene e beleza e equipamentos) com 8,3% do faturamento; pet vet (produtos veterinários) que representam 7% e 16,2% referente a pet serv (serviços). Os números são de 2012, mas para 2013 os índices vão fechar em alta, de acordo com a previsão da Associação.

Para ele um dos grandes responsáveis pelo crescimento do mercado em geral é o reconhecimento dos benefícios da interação entre humanos e animais para a saúde de ambos. “Hoje, os animais de estimação, além de fazerem parte da família, são considerados fundamentais em tratamentos terapêuticos e em políticas de inclusão social. Os serviços mais procurados ainda são banho e tosa. Mas já se nota um crescimento significativo na procura por hotéis e por profissionais como pet sitter e dogwalker”, acrescenta.

 

Inovação nos serviços atrai clientes

Em 2007, o mercado pet ainda estava engatinhando em São Paulo. Na avaliação da família Incao, a tendência de crescimento do setor era uma questão de tempo, uma vez que cada vez mais os animais recebiam tratamento especial, no Brasil e em outros lugares do mundo. Foi então que o diretor de uma multinacional, Sérgio Incao resolveu dedicar-se profissionalmente aos cerca de cinquenta cães que viviam em sua casa.

Ele convidou seus filhos a desenvolverem uma empresa focadano cuidado de cães. Thomas trabalhava como músico e projetista de máquinas industriais e Rafael, formado em Matemática, ministrava aula para alunos do ensino básico. A primeira motivação para o negócio foi mesmo o amor pelos animais. Sérgio Incao conta que a ideia surgiu após ver um anúncio de venda de um clube para cães nos classificados de um jornal. Após comprar o espaço, ele e os filhos trataram de repaginar o lugar e os serviços oferecidos.

O trocadilho com o sobrenome familiar Incao, fez surgir quase imediatamente o nome “In-Cão Clube Canino”. Após seis anos no mercado e com um espaço físico de 2600 m², o clube oferece diversas atividades como corridas, brincadeiras e até natação, além de um hotel e até uma creche. O espaço oferece ainda serviços de Taxi Dog, Adestramento, Veterinário, Encontro de Raças e Pet Shop. Em época de férias, chega a atender cercade 70 cães no hotelzinho, serviço que permite ao cão passar o dia todo brincando e interagindo com outros caninos. Os donos ainda podem acompanhar a estadia do seu pet por meio do sistema interno de câmeras disponibilizado pela empresa.

Mas para aqueles que preferem mesmo comodidade e economia o empresário Ricardo Carvalho não deixou por menos. Investiu cerca de R$150 mil em uma franquia inédita na cidade do Rio de Janeiro, o Petshop Móvel, que leva os serviços de banho e tosa até a casado cliente. Os serviços são feitos dentro do próprio veículo da empresa. “Além do conforto para o dono, o atendimento em domicílio reduz muito o estresse do animal. Em certas regiões, como a Barra da Tijuca, onde quase todos os trajetos são feitos de carro, o serviço em domicílio com horário marcado é ainda mais interessante”, assegura.

Com sete meses de atuação, Carvalho revela que já tem mais de 60 clientes fidelizados e uma média de 70 atendimentos por semana. A agenda está sempre lotada e novos clientes precisam esperar mais de uma semana paraconseguir um horário. E ele já está programando para os próximos meses novas franquias, que vão circular nos bairros de Jacarepaguá, Vargem Grande e Vargem Pequena. Além do novo contrato já fechado, a expectativa é ter mais dez franquiasda Petshop Móvel circulando por diferentes bairros do Rio nos próximos 12 meses.

O zootecnista e proprietário da Dog Solution, Renato Zaneti, já em 2010, teve a iniciativade abrir um espaço pioneiro focado no bem-estar de cães e oferecendo serviços diferenciados no segmento de Day Care canino. Para isso, ele utilizou técnicas de enriquecimento ambiental, que consistem em introduzir elementos originais, simples, criativos e de fácil interação na área onde o cão passa seu tempo, oferecendo possibilidades para o animal expressar seu comportamento natural e, principalmente, ter oportunidades de escolha. “Ali, o cão tem condições de desenvolver comportamentos próprios de sua espécie. Quando o cão está em harmonia, transfere este sentimento para a relação com o dono. Além disso, o cão terá maior disposição, ficará mais relaxado e menos destrutivo”, esclarece.

Segundo Zaneti, o investimento principal foi para adequar a estrutura física às necessidades dos cães. A equipe de profissionais que atua diretamente com os cães passa por treinamentos trimestrais, possui subsídio em curso na área e trabalha com carga horária reduzida, uma maneira de garantir conhecimento técnico e atenção para cuidar dos animais. A média diária é de 45 atendimentos, mas existe uma fila de espera para novos clientes. São ao todo 16 colaboradores. O centro também oferece serviços de consulta comportamental, adestramento, passeios e hotel.

 

Sabores irresistíveis

A trajetória do diretor comercial da Ice Pet, Paulo Silva, começou em 2007. Foi dono de um canil e três lojas de Pet Shop. Em 2010, decidiu apostar na produção de sorvetes para cães e gatos. Ele conta que a empresa tinha apenas dois clientes, no mês seguinte ao da compra, perdeu um deles. Era preciso fazer uma reestruturação total e imediata. “Para deixar a fábrica como está hoje, gastamos por volta de R$500 mil. Saímos de uma produção de três unidades de sorvetes por mês para 5.800 unidades por dia. Atualmente, atendemos cerca de 210 pontos de venda”, conta.

Embora a produção de sorvete para cães e gatos seja um sucesso em diversos países como Estados Unidos, Bélgica, Japão e Taiwan –em todo o mundo não passam de 10 marcas. A Ice Pet é a única existente no Brasil. “Os obstáculos são muitos. Destaco a logística, nestePaís onde as distâncias são grandes e temos pouquíssimas empresas especializadas em transporte de congelados. O mito de que sorvetefaz mal à garganta, também é um problema, e se constitui um desafio para nós”, explica. Entre os lançamentos da Ice Pet estão a Linha Vet, que traz benefícios bucais, redução de tártaro e mau hálito dos animais, os sorvetes são enriquecidos com Ômega 3, para a melhoria da pele e ossos e ainda a versão Light que melhora o metabolismo ajudando na perda depeso.

A empresa também desenvolveu a Linha Cute, com o sorvete líquido. Ele pode ser vendido nas prateleiras ou balcões e o dono do animal congela antes de servir. Com esse produto, a IcePet se prepara para exportar para a Europa. Outra novidade da empresa é a linha Turma da Mônica, uma parceria inédita e exclusiva com a Maurício de Sousa Produções. Nessa linha, as embalagens de sorvete são estampadas com alguns dos principais personagensdo mundo animal dos quadrinhos. Os sabores vão desde os mais específicos para os animais, como Bacon, Frango e Salmão, além dos sorvetes de creme, morango,chocolate, menta, banana, milho verde e leite.

A saúde dos pets é coisa séria!

Com 22 anos de mercado, o Grupo PetCare de Hospitais Veterinários é referência nacional em saúde animal, atendendo especialidades, pronto atendimento 24 horas e diagnóstico veterinário. As instalações seguem os mesmos padrões de hospitais humanos, com equipamentos de alta tecnologia e uma equipe de profissionais especializada. A diretora do Grupo Pet Care de Hospitais Veterinários, Carla Alice Berl explica que são três unidades em São Paulo. Formada em medicina veterinária há 33 anos, Carla conta que sempre procurou conciliar tecnologias de ponta com um grupo veterinário forte. Segundo ela, o negócio foi bem inovador e os investidores compraram a ideia. Tanto é que o investimento no Pet Care Morumbi foi alto. E as outras duas unidades vieram de investidores.

Em 2012, foi inaugurada a unidade Pacaembu e este ano, a unidade Ibirapuera. Juntas as unidades empregam setenta funcionários, são especialistas e cirurgiões, enfermeiros, recepcionistas, além de consultorias, advogados, entre outros profissionais. O Pet Care é especializado no atendimento a cães e gatos, são mais de quatro mil animais atendidos por mês nas três unidades. E o negócio está em franco crescimento.

A empresa mineira de tecnologia, a Ferox, também preocupada com a saúde dos bichinhos, desenvolveu um aparelho portátil para a realização de exames cardíacos em cães e gatos. Trata-se de um sistema exclusivo para monitorar a cardiologia animal por equipamentos remotos. O recém-lançado FX-1000 é composto por um sistema remoto e um portal para exames de Televeterinária, capaz de receber e administrar múltiplos tipos de diagnósticos de forma integrada.

O aparelho é leve, portátil, robusto, sem fios ligados a eletrodos. Ele permite a visualização à distância das condições do bicho de estimação, com o registro do ritmo e da frequência cardíaca. O que permite aos veterinários acompanhar remotamente os batimentos do coração de seus pacientes.

O especialista em tecnologia e um dos sócios da Ferox, Roger Tanure explica que o sistema surgiu de pesquisas nacionais, com integração de profissionais de diversas áreas como TI, veterinários e engenheiros, que utilizaram recursos próprios e apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais (FAPEMIG). “Focamos na necessidade que as clínicas veterinárias possuem de oferecer serviços mais completos aos seus pacientes, sem a necessidadede um especialista inloco. Assim, os exames podem ser realizados com a própria equipe que a clínica já possui, analisados e ‘laudados’ à distância”, reforça. Os aparelhos de ECG FX-1000 já estão sendo disponibilizados às clínicas veterinárias credenciadas em todo o Brasil por meio de franquias.

Coleção Gestão & Negócios - Encontre Bons Negócios


COMENTE