Newsletter

Cadastre-se e receba todas as novidades

Empresa de petit gateau inicia processo de exportação de produtos

Publicado em 10 de Aug de 2017 por Giovanna Henriques |COMENTE

Depois de mais uma década no mercado, a marca não para de crescer



Texto Giovanna Henriques | Foto Divulgação

le petit

Há 13 anos no mercado, a marca de petit gateau e tortas, Le Petit, surgiu em uma brincadeira: um jantar entre amigos. A fundadora Luciana Reis ofereceu aos seus convidados seu petit gateau de sobremesa. A partir daí, ela nunca mais parou. Sentiu a necessidade de abrir uma cozinha para food-service e passou a vender seus bolinhos para restaurantes. Hoje a cozinha produz em média, 10 mil bolinhos por dia.

O sucesso da Le Petit se deu ao esforço incansável de Luciana Reis, que sempre buscou inovação e meios de expansão. Ela conseguiu desenvolver, com o passar dos anos, técnicas de comercialização com um diferencial, até hoje a receita caseira original criada por ela mesma, se mantém. A marca conta com 10 opções de sabores de petit gateau, além de tortas geladas e brownies.

Hoje, a Le Petit segue três vertentes de comercialização diferentes: venda externa, food-service e oito quiosques Le Petit Express (franquias) espalhados pelo Brasil. “Até o final de 2017, seremos mais”, já confidencia Luciana que promete também lançamentos de produtos e sabores para aumentar a gama já oferecida pela empresa aos franqueados.

 Com a crise, acompanhando a necessidade de expansão, Luciana decidiu que seria a hora de dar um passo mais ousado devido ao histórico de sucesso da marca já consolidada no país. A Le Petit anuncia sua expansão para o mercado internacional e passa a exportar seus produtos para os Emirados Árabes. Ao total serão enviados 6 mil bolinhos a um único cliente em Dubai, nos sabores chocolate, goiaba e doce de leite.

Quando Luciana pensou na possibilidade de expandir seu mercado, investiu por conta própria  na participações de cursos e feiras de alimentos no Oriente Médio. “Estávamos estudando este mercado há algum tempo e decidimos investir na feira para, de fato, entender o que o consumidor dos Emirados Árabes precisa e nosso potencial de crescimento nessa área", comenta. De olho na evolução da nova etapa, Luciana também abre para a Gestão & Negócios que já está em negociação com vários outros países, como Japão, Chile, Canadá, EUA e Colômbia.


COMENTE