Newsletter

Cadastre-se e receba todas as novidades

10 erros fatais para lidar com o seu avatar

Publicado em 12 de Aug de 2017 por Giovanna Henriques |COMENTE

Descubra quais são os piores erros que você pode cometer



Texto Priscila Gorzoni | Adaptação Giovanna Henriques | Foto Shutterstock

avatar

1 CRITÉRIOS IMAGINÁRIOS

É tentador acreditar que estamos corretos, mas isso pode limitar drasticamente a habilidade para refinar a identificação do avatar. Definir os critérios para análise do perfil do avatar somente utilizando o seu ponto de vista pode criar resultados viciados. Uma dica para sair dessa armadilha e trazer o seu ponto de vista para uma visão mais precisa é compartilhar suas impressões com outras pessoas – sempre com um grau de experiência igual ou superior ao seu – e estar aberto a uma análise crítica construtiva sobre os seus resultados.

2. COMPORTAMENTOS DISCORDANTES

Ao traçar o perfil de um avatar, é comum ter respostas bem confortáveis sobre o comportamento do seu cliente sonho– respostas do tipo “se isso…, logo aquilo…”. O perigo desse resultado é que muitas vezes o que o seu prospecto expressa nem sempre é verdadeiro, porque, em alguns aspectos, pessoas costumam sabotar suas próprias realizações. São os perfis que expressam algo, mas não agem na mesma direção.

3. SUPERDIMENSIONAR DESAFIOS

É importante começar a testar a credibilidade de um avatar definido com desafios de entrada, aquecendo a relação com pequenos compromissos e avaliando comportamentos de outras áreas que podem ser comuns ao ramo em que o seu negócio atua.

4. FALTA DE CLAREZA

Clareza na comunicação é um passo fundamental no relacionamento com o avatar. Negócios muito técnicos costumam pecar utilizando linguagens que podem até fazer muito sentido para outros profissionais da área, mas que às vezes não despertam interesse para o avatar simplesmente porque ele não entende.

5. FALTA DE POSICIONAMENTO

Geralmente, por medo de não conectar com os clientes, empreendedores pecam pela falta de posicionamento. Prometem resultados muito gerais ou que exigem pouco risco para seus negócios para tentar atender a maior quantidade de pessoas possível. Aí está o problema. Promessas mornas costumam gerar resultados na mesma proporção. Um bom posicionamento expressa benefícios claros, transformadores, precisos e comprometidos.

6. COLOCAR O AVATAR EM POSIÇÃO DE AUTOJULGAMENTO

Na intenção de ajudar o avatar a ter clareza sobre suas necessidades, muitas marcas acabam colocando o cliente-alvo para julgar a si mesmo, e isso pode despertar seus maiores bloqueios. O resultado é que, ao invés de empoderar o prospecto a tomar uma decisão de mudança, coloca-o em uma posição de paralisia total e, mesmo diante de uma grande oportunidade, o avatar não toma atitude de avançar.

7. NÃO SABER O QUE ESTÁ OFERECENDO

Em geral, quando isso acontece, é porque o empreendedor definiu seu propósito a partir de uma referência ou uma fonte externa para direcionar seu produto ou serviço. A fundo, a própria marca não tem clareza sobre o que tem como potencial de negócio. Lançam seus argumentos no mercado porque outra empresa está crescendo com este posicionamento, porque é uma moda ou porque alguma “autoridade” no segmento disse que era um bom caminho. Referências e fontes experientes de informações são valiosas ferramentas de crescimento, mas cabe a cada empreendedor explorar e emanar a convicção sobre o que faz do seu negócio um diferencial de mercado

8. O AVATAR ABSOLUTO

Achar que o avatar não tem camadas de variações é um erro. O ideal é a marca trabalhar com alguns níveis de segmentação do próprio avatar na hora de expressar suas argumentações de vendas, sem abrir mão do seu posicionamento, mas compreendendo que existem pontos variáveis no avatar, considerando a complexidade que é o próprio ser humano.

9. RELACIONAR-SE COMO AVATAR SOMENTE COM OFERTAS

A intenção de ofertar para o avatar é legítima, mas se for aúnica direção do conteúdo, a marca poderá não criar valor para o prospecto e ele poderá entrar em modo de resistência, sentindo que a marca quer explorá-lo ao invés de beneficiá-lo

10. SUBUTILIZAÇÃO DO AVATAR

Pense que o seu avatar conhece pessoas que têm hábitos e afinidades com as suas crenças e comportamentos. Um erro comum é direcionar os argumentos para unicamente o prospecto que está recebendo a mensagem. Potencialize seus resultados utilizando o avatar para multiplicar sua mensagem e levá-la para os contatos dele. Envolver seu avatar em causas, despertar sentimentos de pertencimento a grupos e até colocá-lo para ser uma ferramenta de transformação na vida de outras pessoas fará seus resultados se multiplicarem.

Revista Gestão & Negócios Ed. 102


COMENTE